História da Black Pig Alentejo

O gosto e carinho do seu criador, Miguel Ângelo Nunes pelo Alentejo e o seu ecossistema de sobreiros, cortiça, animais, plantas, praias e campos, esteve na origem da marca Black Pig Alentejo.

Em 2007, a empresa começou a plantar medronheiros, o primeiro pomar de medronheiros na Costa Alentejana, para produção de aguardente de medronho, em 2018 foi construída a Destilaria Black Pig, localizada em Santo André, em plena costa Alentejana.

Produtora de Gin, Rum e Medronho.

Em 2019, a marca Black Pig Alentejo, com o seu Gin, tornou-se numa das marcas mais premiadas em toda a Europa.

2019 foi também o ano do lançamento do Primeiro Rum da história de Portugal Continental, com a marca Ilha do Pessegueiro, a única ilha da Costa Alentejana.

Distinguida também como uma das melhores ideias empreendedoras em Portugal no TurismUP 2019 e com a conquista de várias medalhas de ouro em competições internacionais.

O seu modo de produção artesanal, respeitando os preceitos e tradições alentejanas, trabalhando exclusivamente com botânicos do montado e da costa alentejana, sem pegada ecológica e com consciência ambiental, fazem com que se produza um produto genuinamente alentejano e sustentável. A biodiversidade deste ecossistema único é o seu catalisador.

Neste ecossistema, a Black Pig Alentejo também representa a cultura alentejana através da criação do pata negra em regime extensivo, em pleno montado em sintonia com árvores autóctones como o sobreiro e medronheiro.

O pata negra, o verdadeiro senhor do montado, serve de inspiração para o nome do conceito Black Pig Alentejo. Este conceito em que existe uma simbiose perfeita entre animais, ecossistema e produto final, para além de contribuir para preservação do montado alentejano e valorização da economia local, serve também como modo de promoção da região, cultura e tradições alentejanas a nível nacional e internacional.